segunda-feira, 25 de março de 2013

Sessão das 11

 Les Misérables
Talvez por não ter depositado expectativas nenhumas no filme se tenha tornado uma surpresa muita positiva. Foi a primeira vez que vi a história, e nunca li o livro do Vitor Hugo e fui apanhada completamente de surpresa.
Gostei muito, gostei da força de vontade de um homem, gostei de ver a força do perdão e da confiança na vida de um homem, gostei de ver a força de um povo, a força da liberdade e a força de uma luta colectiva, tudo isto temperado com duas histórias de amor pelo meio, a capacidade de um pai amar a sua filha ainda que não seja de sangue, e a história de um amor à primeira vista :)
Um dos meus momentos preferidos do filme nem é nenhuma das cenas mais emblemáticas é uma das cantorias e a cena em si aquando do funeral do Jean Maximilian Lamarque e que marca um dos momentos de reviravolta no filme.
O desempenho dos actores de um modo geral é muito tocante e, apesar de ainda não poder comparar com o desempenho das outras nomeadas, a atribuição do óscar à Anne foi pertinente.  
 Surpresa das surpresas, Les Misérables era um musical com todos os ingredientes para me deixar a  chorar do inicio ao fim tal qual uma Amélia arrependida e pouco ou nada chorei, arrepiei-me algumas vezes, mas chorar não... Talvez seja efeito das cantorias, porque se há quem chore e bem com histórias emotivas sou eu, e Los Miserables foi das histórias mais emotivas que vi nos últimos tempos.
Mantendo-me coerente em relação à opinião que tenho dos musicais, não posso dizer que foi dos meus filmes preferidos (se não tivesse tanta cantoria começo a achar que teria outro impacto), posso colocá-lo no topo dos meus musicais preferidos :)

The Pillars of the Earth
Dos filmes para as séries Os Pilares da Terra é uma série edificada à medida que é construida uma catedral, e se à partida seria um processo com tudo para ser simples, não é de todo isso que se verifica. São oito episódios em que no fim de um, só apetece ver o seguinte.
Uma história de lutas pelo poder, de pecados e virtudes de homens e mulheres, tendo como pano de fundo a guerra, quer em campo de batalha quer nos bastidores pelo trono inglês. Uma história de lealdade e da falta dela consoante as necessidades e os propósitos de alguns. Traições e paixões, algum romance e muita violência no modo cobarde como algumas personagens actuam, não olhando a meios para atingir os fins. 


Revenge
 "Quando pretender embarcar numa vingança, cave duas covas", é esta a frase de Confúcio que dá inicio ao primeiro episódio  de Revenge. Uma série cujo tema o próprio nome indica, vingança! Se alguém que se ama muito fosse acusado injustamente de algo, até onde se iria para obter justiça? Até onde se iria para vingar a memória de alguém? 
A linha que separa a vingança da justiça é muito ténue. 
Quando o sentimento que move alguém é de vingança, de ódio por muita que seja a sede e a razão de justiça até que ponto o que se tem a perder não é mais do que o que se tem a ganhar?
É uma série com um fundo bem cor de rosa e cheia de festas de alta sociedade, vestidos bonitos e gente gira mas que em simultâneo me tem deixado a pensar numa série de questões. 
No que toca à vingança penso que a parte mais difícil é perdoar, até porque em determinado momento "se alguém quer entrar num ninho de víboras tem de ser como elas para sobreviver" e qual o tamanho do risco de passar a ser exactamente como as pessoas que se abominam?

40 comentários:

  1. Não tenho muito interesse no filme/musical, mas ando cheia de vontade de ver o que acontece nessa série. Já estava curiosa, mas agora vou mesmo espreitar :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As séries valem mesmo a pena Pukas :) Sobretudo os Pilares da Terra!

      Beijo

      Eliminar
  2. Por norma já de mim não sou fã de musicais. Mas no que toca particularmente ao "Les Miserables", não tenciono ver de todo. 3h de cantoria é too much, não me cativa minimamente. Mesmo que a história seja muito boa, um filme de 3h total e integralmente cantado não me prende.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim Roger, eu lembro-me de teres escrito sobre isso , eu também não sou propriamente fã de musicais mas este acabou por surpreender-me pela positiva, mas é como já referi se o filme não fosse musical até me teria tocado mais!

      Eliminar
  3. Li o livro, ainda jovem ,e adorei.

    Vi o filme e também gostei imenso, até porque gosto de musicais.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mona Lisa, então para quem gosta de musicais o filme deve sem dúvida ter sido muito bom mesmo.

      Beijinhos

      Eliminar
  4. Olá Poppy,
    Vou desiludir-te mas não gostei do filme "Os Miseráveis". Gostei de ler o livro, sim, gostei do filme original, muito. Deste musical não me convenceu.

    As séries não conheço.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh JP, não me desilude que as pessoas tenham gostos diferentes dos meus, ainda bem que é assim :)

      Beijinhos

      Eliminar
  5. O musical Les Mísérables é um dos meus favoritos.
    O filme, confesso que não vi.
    Talvez porque tivesse receio de apanhar uma desilusão face à qualidade do musical, não sei.
    Beijinhos e votos de boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro Coimbra, às vezes acontece, é um risco :)

      Beijinhos

      Eliminar
  6. tenho uma tag para ti no meu blog: http://susanaids.blogspot.pt/2013/03/tag_26.html
    beijinho*

    ResponderEliminar
  7. Fui ver os Miseraveis ao cinema e adorei, arrebatador.

    Bjokas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. *C*inderela é de facto um filme que consegue dividir as opiniões :)

      Beijocas

      Eliminar
  8. Também pensei que 'Les Misérables' fosse desinteressante para quem não gosta muitode musicais, mas prendeu-me. Não perdi pitada.
    Um filme a ver, aconselho.

    Obrigado pela tua partilha musical.

    Uma linda descoberta.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pérola ainda bem que gostaste, sou fã de Nouvelle Vague já há um tempinho e até já os vi ao vivo :)

      Beijinhos

      Eliminar
  9. Fui ver o filme numa tarde chuvosa de domingo, porque penso que é o momento ideal para ver musicais. Não desgostei, mas preferi o livro...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos uma óptima sugestão para ver musicais, de facto penso que se o filme tivesse saído no Verão talvez o impacto até fosse diferente :)

      Eliminar
  10. Venho deixar os parabéns pelo acerto total nas fotos...com a minha e a da Ematejoca a perturbarem até ao fim! :-))
    Quanto aos filmes em questão só vi "Les Misérables" e não me desapontou...embora achasse algumas cenas excessivamente longas e o cenário muito escuro mas também não poderia ser doutra maneira.
    Li o livro há muitos anos por obrigação da formação académica! :-))
    Também fiz um post quando o vi no dia da estreia!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rosa dos Ventos, obrigado :) As cenas tornam-se longas precisamente por ser um musical, se não fosse nesse formato o filme até se tornava mais curto.

      Abraço

      Eliminar
  11. Olá Poppy ! :))
    Tal como a minha amiga, Rosa dos Ventos, os meus sinceros parabéns pela fantástica vitória no blog da Teté ! :))
    Até "trabalhei bastante para conseguir melhor, mas tal não foi possível !
    A Rosa dos Ventos e a ematejoca, "trocaram-me as voltas " ! rsrs

    beijinho ! :))
    .

    ResponderEliminar
  12. Passei para conhecer, gostei e tal como tu fiquei!
    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
  13. Parabéns, Poppy! Isso é que foi “trabalhar” no desafio da Teté!
    Tenho visto Revenge e vi o filme Os Miseráveis. O que ainda não vi foi a série Os Pilares da Terra. Li o livro, que gostei, e agora fiquei com curiosidade sobre os filmes. Vou procurá-los.
    Abraço : )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Catarina por norma os filmes ficam um bocadinho aquém dos livros, mas o desempenho dos actores e toda a envolvência vale muito a pena, eu gostei!

      Abraço

      Eliminar
  14. Parabéns Poppy. Não foi fácil andar para baixo e para cima à procura do impossível.

    Quanto aos Miseráveis - FABULOSO (mas prefiro a versão não musicada)
    Pilares da Terra - ESPANTOSO!
    Revenge - tenho o filme numa pen há mais de um mês e ainda não o vi.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Kim, Revenge leva um tempinho a ver :)

      Obrigado

      Beijinho

      Eliminar
  15. Bom, não sendo apreciadora de musicais, também não desgostei do filme "Os Miseráveis". Sendo que, tal como tu, suponho que o filme teria mais força e emoção se não fosse musical. O livro de Vitor Hugo é ainda mais impressionante.

    As duas séries aimda não vi, já que vejo pouca televisão.

    Claro que também não podia deixar de te dar os Parabéns, pelo empenho no passatempo e a merecida vitória! :D

    Uma grande beijoca!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teté, as séries também acabo por não ver na TV, porque nem sempre os horários dão para mim, vejo no pc consuante a vontade e a disponibilidade :)

      Beijinho e obrigado

      Eliminar
  16. Respostas
    1. Jovem $0nhador@ algo me dizia que era filme que haverias de gostar :)

      Eliminar
  17. Respostas
    1. Carlos e eu espero que a sua Páscoa tenha sido uma maravilha :)

      Eliminar
  18. Ora vem... =) sobre Os Miseráveis também falei no meu poleiro... e partilho da tua opinião. Achei grandioso!
    Os Pilares da Terra é uma série tremenda! Os livros, então, são melhores ainda! Aconselho-te! =) a continuação, "um mundo sem fim", é medonha. Só enforcamentos, membros amputados e coisas assim... só consegui ver até ao quarto episódio... agora não gasto mais tempo naquilo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Briseis, sim eu lembro-me de ler a tua opinião e a da Teté :) Nem conhecia que tinha continuação, mas já estou a ver que dramatizaram demasiado a coisa...

      Beijo

      Eliminar
  19. Um pai pode mesmo amar uma enteada como se do seu sangue fosse. Eu tenho um exemplo assim em casa - e acho que a minha filha não podia ter tido melhor pai do que o padrasto (se bem que o pai biológico também seja bom pai - à maneira dele...)
    Um beijinho para ti, Poppy, da
    Miú (tenho andado arredada, bem sei - sorry!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Miú II, somos duas somos duas, vai-se passando como e quando se pode, mas o carinho é sempre o mesmo.

      Sem dúvida que ser pai ou mãe não depende só da genética ou da biologia, não é o meu caso, mas tenho plena consciência que ser pai e mãe é mais do que dar os genes!

      Beijinhos para ti

      Eliminar